viagem

Eu e meu amigo, será?

“Acho que estou apaixonada pelo  meu amigo!”

“Eita, que agora lascou!”

Eu sei… Esse tema é muito polêmico e muito falado por aí, mas sem muitas resoluções para o assunto.

Porém, um dos objetivos do blog é justamente desmistificar os assuntos que estão na boca do povo, nas capas de revistas e nos temas mais procurados nas redes sociais. Para começar, todo mundo tem uma amiga (o), uma conhecida, uma prima que seja, ou até mesmo você que tenha ficado encantada, apaixonada, desesperada na dúvida se aquele seu amigo poderia ser algo a mais, não é mesmo?

Pode apostar que sim!

Particularmente, não vejo nenhum mal em gostar de um amigo, até porque complicado é gostar do inimigo. E para comprovar minha teoria, nada melhor que levar em consideração a literatura e a dramaturgia. Um exemplo clássico de um amor proibido e muito do mal sucedido é Romeu e Julieta, a moça resolveu jogar suas tranças para o rapaz galanteador e todo mundo sabe no que deu: os dois mortinhos da silva!

Brincadeiras a parte, a verdade é que não pode haver mal algum em gostar de alguém que possua gostos similares aos seus, que tenha um jeito de sorrir que te encante, que você se sinta à vontade para conversar sobre tudo, e além de todas essas qualidades ainda seja seu (melhor) amigo. Agora, no caso da reciproca não ser evidente e ainda pairem dúvidas, as coisas podem realmente se complicar e virar um verdadeiro balaio de gato! E sem saber se sim, se não ou se talvez, iniciam-se as indagações:

“E se eu me declarar e estragar a amizade?”

Nesse caso, é bem provável que você saiba que não tem chances reais e use esse artificio para se confortar ou fazer um drama básico (se poupe)!

“E se ele disser que eu viajei e não tem nada a ver? ”

Ai você dá uma grande gargalhada e concorda, jamais esquecendo de esclarecer que tudo não passou de uma grande brincadeira, né?!

“Você sabe que eu te considero muito, mas…”

Sai correndo! Pra que ouvir mais? Qualquer coisa que venha depois do “mas” vai contradizer o início da frase.

Enfim, a verdade é que não tem regra, o amor não é uma ciência exata. Existem casais que vivem uma linda historia de amor e depois tudo o que resta no final da relação é amizade. E claro, há casais que começam com uma bela amizade e depois descobrem um grande amor. O jeito é viver um dia de cada vez e analisar com cuidado todas as situações.

Permitir-se viver algo novo pode ser uma bela experiência, mas se perceber que as coisas não vão acontecer como o esperado, supere e parta para outra. Não se esqueça de que tudo na vida tem 50% de chance de acontecer e 50% de não realizar, e isso também faz parte da aprendizagem. Bom, se querem um conselho, lá vai:  se seu eleito é seu amigo, colega de trabalho, vizinho, amigo, ou qualquer outra conexão, o importante é estar feliz e sentir que compartilhar sua vida com aquela pessoa vale a pena. Do contrário, não se esqueça de que existem muitas princesas, príncipes e até sapos a espera de uma única oportunidade. 

Pense nisso, ok? E boa sorte!

Eu e meu amigo, será?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *